Joaquim Guilherme Gomes Coelho – que nasceu a 14 de novembro de 1839 e faleceu a 12 setembro de 1871 - foi um homem cuja vida decorreu sob o signo da melancolia, mas teve o talento de se imaginar como Júlio Dinis, escritor cuja obra foi criada e lida sob o signo da alegria.

D. Dinis, conhecido como o Rei Trovador, nasceu em Lisboa (?), em 9 de outubro de 1261, e faleceu em Santarém, em 1325. Foi coroado aos 17 anos. O seu longo reinado de 46 anos, próspero e inovador em termos políticos, económicos e culturais, foi um dos mais importantes da monarquia portuguesa, tendo contribuído para o alvor da consciência de território nacional, contrariando a mentalidade feudal. Em 1282, casou-se com Isabel de Aragão, a Rainha Santa.
D. Dinis foi o primeiro monarca português realmente letrado, sendo notável o seu apreço pelo Ensino – esteve na génese da Universidade de Coimbra, por exemplo - e pelas Artes, principalmente pela Poesia e Música Trovadoresca. Ele próprio foi um compositor de relevo, além de patrono de outros autores.

Maria Judite de Carvalho nasceu no dia 18 de setembro de 1921, em Lisboa, cidade onde virá a falecer, em1998. Foi uma escritora unanimemente considerada como uma das vozes femininas mais importantes da literatura nacional do século XX, autora de contos, novelas, crónicas, assim como de uma peça de teatro e de um livro de poesia. Trabalhou nos periódicos Diário de Lisboa, Diário Popular, Diário de Notícias e O Jornal. Foi casada com o escritor Urbano Tavares Rodrigues e viveu em França e na Bélgica, entre 1949 e 1955, ainda antes da sua estreia literária. O resto dos seus anos, passou-os na capital portuguesa.
«Flor discreta» da nossa literatura, como lhe chamou Agustina Bessa-Luís, a obra de Maria Judite de Carvalho foi várias vezes galardoada, destacando-se o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, o Prémio da Crítica da Associação Portuguesa de Críticos Literários, o Prémio P.E.N. Clube Português de Novelística e o Prémio Vergílio Ferreira.

Aldous Huxley (que nasceu no dia 26 de julho de 1894) foi um escritor visionário com enfoque nos meandros do futuro da Civilização. Romancista, crítico e ensaísta, autor de uma vasta obra, corria-lhe nas veias um profundo interesse pela ciência, que se refletiria no seu livro mais famoso, Admirável Mundo Novo.
Repartiu a sua vida entre a Itália, a França e os EUA, país que o perturbou pela sua mescla de hedonismo e de puritanismo. De satirista social e figura próxima do Grupo de Bloomsbury, nos anos 20, às suas experiências com a mescalina e o LSD, nos anos 40 e 50, e à viragem para o pacifismo e para o misticismo, reinventou-se continuamente, sendo considerado um dos maiores escritores do século XX

George Orwell, pseudónimo do escritor, jornalista, ensaísta Eric Arthur Blair, nasceu na cidade de Motihari, na então Índia britânica, a 25 de junho de 1903, tendo-se mudado para Inglaterra com a família durante a infância. Orwell é uma das mais influentes figuras da literatura do século XX, sendo a sua obra marcada por uma inteligência perspicaz e bem-humorada, uma consciência profunda das injustiças sociais, uma intensa oposição ao totalitarismo e defesa incondicional da liberdade humana.

Conhecida como escritora, poetisa, jornalista e convicta defensora da causa feminina, Maria Teresa Horta nasceu a 20 de maio de 1937, em Lisboa.

William Shakespeare nasceu em Stratford-upon-Avon, no condado de Warwick, Inglaterra, no dia 23 de abril de 1564. Autor de tragédias famosas como «Hamlet», «Otelo», «Macbeth» e «Romeu e Julieta», é considerado uma das maiores figuras literárias da língua inglesa e o maior dramaturgo da literatura universal, devido às suas notáveis e complexas personagens, à dinâmica das suas peças e à riqueza de seus versos.

Gabriel García Márquez nasceu em Aracataca, Colômbia, no dia 6 de março de 1927, ali tendo passado a infância. O despertar da vocação para a escrita terá começado na adolescência. Sendo, provavelmente, o escritor colombiano mais conhecido mundialmente, é autor do famoso livro “Cem Anos de Solidão”, publicado em 1967. Recebeu o Prémio Nobel de Literatura, em 1982, pelo conjunto da sua obra.

O poeta António Aleixo – que nasceu em Vila Real de Santo António, no Algarve, a 18 de fevereiro de 1899 – foi cauteleiro e guardador de rebanhos, cantor popular de feira em feira e um caso singular, bem digno de atenção de quantos se interessam pela poesia.

Eugénio de Andrade (pseudónimo de José Fontinhas), cuja obra poética se encontra traduzida em diversas línguas (a seguir a Pessoa é o poeta português mais traduzido), nasceu a 19 de janeiro de 1923 numa aldeia da Beira Baixa. Em 1938, num encontro com António Botto, um amigo deste revela a Eugénio de Andrade a poesia de Fernando Pessoa, origem de um fascínio ilimitado. O conhecimento da literatura do autor da Mensagem será determinante para a afirmação de um estilo individual numa direção oposta à poética pessoana, naquilo em que esta se mostra distanciada da exaltação do sensualismo, da afirmação da corporalidade — vetores decisivos no trajeto poético de Eugénio de Andrade. Em 1942, dedicará o seu primeiro livro à memória de Pessoa. Outra influência marcante será a poesia de Camilo Pessanha. Este autor encarna o papel de mestre, sintetizando algumas das linhas idealisticamente perseguidas na poética eugeniana, como a musicalidade e a aguda consciência de que a poesia é ofício de artesão.

Charles Dickens, escritor inglês nascido a 7 de fevereiro de 1812, em Landport, Portsmouth, e falecido a 9 de junho de 1870, em Gadshill, Rochester, entre outras obras famosas, publicou, em 1843,

A Christmas Carol (Cântico de Natal), uma das histórias mais populares e evocativas da quadra natalícia, tornando-se emblemática a personagem de Mr. Scrooge, nomeadamente através de inúmeras edições em livro e, sobretudo, das diversas adaptações cinematográficas.

Mark Twain é o pseudónimo de Samuel Langhorne Clemens, nascido na localidade de Florida, Missouri, Estados-Unidos da América, em 30 de novembro de 1835, e falecido em Redding, Connecticut, em 21 de abril de 1910. Foi um famoso escritor e humorista norte-americano, autor de obras bastante conhecidas como “The adventures of Tom Sawyer”, publicada em 1876 e apontada como um dos maiores romances norte-americanos.

«Em nome de interesses pessoais, muitos abdicam do pensamento crítico, engolem abusos e sorriem para quem desprezam. Abdicar de pensar também é crime».

A 17 de setembro de 2021 passam 120 anos sobre o nascimento de José Régio (1901 /1969), pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira. José Régio, autor de vasta e poderosa arte poética e ficcional, é considerado um dos grandes criadores da moderna literatura portuguesa refletindo, com base intimista, o conflito entre o Homem e Deus, o Artista e a Sociedade, o Eu e os Outros.

 

Ernest (Miller) Hemingway, escritor norte americano galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1954 e cuja a carreira literária se desenvolveu fundamentalmente a partir das experiências pessoais que mais o marcaram, entre as quais se destacam a guerra e o jornalismo, nasceu no dia 21 de julho de 1899, em Oak Park, Chicago.

Fernando Pessoa (1888-1935) foi um dos mais importantes poetas da língua portuguesa e figura central do Modernismo português. Respeitado em Lisboa como intelectual e como poeta, em vida, publicou regularmente o seu trabalho em revistas, algumas das quais ajudou a fundar e a dirigir, mas o seu génio literário só foi plenamente reconhecido após a morte.

Eduardo Lourenço nasceu a 23 de maio de 1923, na Beira Alta, e faleceu em Lisboa, em 2020, com 97 anos. Foi professor, filósofo, escritor, crítico literário, ensaísta, interventor cívico, várias vezes galardoado e distinguido como um dos pensadores mais proeminentes da cultura portuguesa. Escreveu diversas obras sobre a sociedade e identidade portuguesa: O Labirinto da Saudade (“discurso crítico sobre as imagens que de nós próprios temos forjado”, nas palavras do autor), Fernando, Rei da Nossa BavieraOs Militares e o Poder são das mais relevantes.

Fernando Namora nasceu em Condeixa-a-Nova, a 15 de abril de 1919, e faleceu em Lisboa, a 31 de janeiro de 1989. Foi médico e expressou a sua criatividade também nas artes plásticas, mas ficou para a história como um dos autores consagrados da literatura portuguesa do séc. XX.

Nascido a 25 de fevereiro de 1855, filho de um comerciante com uma loja de ferragens em Lisboa e uma exploração agrícola em Linda-a-Pastora, passa a infância entre os ambientes citadino e rural, binómio que será marcante na sua obra: se a representação pictórica dos ambientes e a descrição plástica da realidade o aproximam do Realismo e do Parnasianismo, se o interesse pelos fracos e humildes ecoa influências românticas e baudelairianas, não é menos verdade que a imaginação do poeta o conduz, muitas vezes, a uma recriação impressionista ou fantasista da realidade devedora da estética simbolista. Por isso, a poesia de Cesário Verde, prefiguradora de uma modernidade estética e só inteiramente reconhecida após a sua morte, dificilmente cabe nas classificações da história literária.

Lewis Carroll (1832-1898) foi um poeta, romancista e matemático inglês. É o autor de "Alice no país das maravilhas", obra que o consagrou internacionalmente. Foi um dos precursores da poesia de vanguarda.

Clarice Lispector nasceu na Ucrânia (Tchetchelnik), a 10 de dezembro de 1920 e faleceu no Brasil (Rio de Janeiro) em 09 de dezembro de 1977 (apenas com 57 anos), sendo um dos maiores nomes da literatura brasileira do século XX. Com o seu romance inovador e com a sua linguagem altamente poética, destacou-se dos modelos narrativos tradicionais.

Eça de Queirós nasceu a 25 de novembro de 1845, na Póvoa de Varzim. Desenvolveu a sua vida literária entre meados dos anos 60 e 1900, quando, a 16 de agosto, morreu em Paris, apenas com 55 anos. Nesse lapso temporal, Eça marcou a cena literária portuguesa com uma produção literária de alta qualidade, alguma dela deixada inédita à data da sua morte.

Oscar Wilde nasceu em Dublin, Irlanda, no dia 16 de outubro de 1854, tendo-se consagrado como autor do famoso livro “O retrato de Dorian Gray”, o seu único romance, considerado uma das mais importantes obras da literatura inglesa. Escreveu, ainda, diversas novelas, poesias, contos infantis e dramas. Algumas das suas frases (irónicas e sarcásticas) continuam a ser citadas em todo o mundo.

José Luís Peixoto nasceu – a 4 de setembro de 1974 - na aldeia de Galveias, no Alto Alentejo, onde viveu até aos 18 anos, idade em que foi estudar para a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Após terminar a sua licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas, na variante de estudos ingleses e alemães, foi professor em várias escolas portuguesas e na Cidade da Praia, em Cabo Verde. Em 2001, dedicou-se profissionalmente à escrita.

Pablo Neruda é o nome literário do poeta e diplomata Neftalí Ricardo Reyes Basoalto que nasceu, no seio de uma família humilde, a 12 de julho de 1904, em Parral, no Chile, e morreu a 23 de setembro de 1973, em Santiago do Chile, estando a causa da sua morte, até hoje, envolvida em polémica dado que a versão oficial a atribuiu a um cancro mas outra tese remete para um alegado assassinato. Pela sua obra poética, conhecida e consagrada internacionalmente, entre outras distinções, foi-lhe atribuído o Prémio Nobel da Literatura (1971).

Poeta, ficcionista, ensaísta, crítico literário, dramaturgo, tradutor e professor universitário, David Mourão Ferreira nasceu a 24 de fevereiro de 1927, em Lisboa, cidade onde faleceu a 16 de junho de 1996.

Maria Teresa Horta nasceu em Lisboa, a 20 de maio de 1937. Escritora e jornalista é conhecida como uma das mais destacadas feministas portuguesas. É oriunda, pelo lado materno, de uma família da alta aristocracia portuguesa, tendo entre os seus antepassados a célebre poetisa Marquesa de Alorna.

Escritor chileno, Luis Sepúlveda nasceu a 4 de outubro de 1949, em Ovalle, uma pequena aldeia no Norte do país, e morreu a 16 de abril de 2020 nas Astúrias, Espanha, vítima de COVID-19.

A 08 de fevereiro de 1828, nasceu o escritor francês Jules Verne (Júlio Verne), autor, entre muitos outros, dos livros "20 mil léguas submarinas" e "A volta ao mundo em 80 dias".

Haruki Murakami – que nasceu em Kyoto, no Japão, a 12 de janeiro de 1949 - é um autor de culto, lido por todas as gerações e procurado com especial curiosidade pelos jovens leitores, encontrando-se traduzido em mais de 50 línguas. Sendo um dos escritores japoneses contemporâneos mais divulgado em todo o mundo é, simultaneamente, aplaudido pela crítica, que o considera um dos «grandes romancistas vivos» (The Guardian).

Reconhecida como uma das principais poetisas portuguesas, Florbela Espanca viveu apenas 36 anos (nasceu no dia 08 de dezembro de 1894 e suicidou-se a 8 de dezembro de 1930), tendo expressado nos seus versos, belos e tristes, sentimentos profundos em relação ao amor, ao sofrimento, à saudade, à solidão e à finitude, inspirada, certamente, numa vida tumultuada, inquieta e sofrida, incluindo a morte prematura da mãe, a rejeição do pai, o casamento e separação, os abortos espontâneos e a morte do irmão, mágoas que não superou, pondo termo à vida tão cedo.