George Orwell, pseudónimo do escritor, jornalista, ensaísta Eric Arthur Blair, nasceu na cidade de Motihari, na então Índia britânica, a 25 de junho de 1903, tendo-se mudado para Inglaterra com a família durante a infância. Orwell é uma das mais influentes figuras da literatura do século XX, sendo a sua obra marcada por uma inteligência perspicaz e bem-humorada, uma consciência profunda das injustiças sociais, uma intensa oposição ao totalitarismo e defesa incondicional da liberdade humana.

Conhecida como escritora, poetisa, jornalista e convicta defensora da causa feminina, Maria Teresa Horta nasceu a 20 de maio de 1937, em Lisboa.

William Shakespeare nasceu em Stratford-upon-Avon, no condado de Warwick, Inglaterra, no dia 23 de abril de 1564. Autor de tragédias famosas como «Hamlet», «Otelo», «Macbeth» e «Romeu e Julieta», é considerado uma das maiores figuras literárias da língua inglesa e o maior dramaturgo da literatura universal, devido às suas notáveis e complexas personagens, à dinâmica das suas peças e à riqueza de seus versos.

Gabriel García Márquez nasceu em Aracataca, Colômbia, no dia 6 de março de 1927, ali tendo passado a infância. O despertar da vocação para a escrita terá começado na adolescência. Sendo, provavelmente, o escritor colombiano mais conhecido mundialmente, é autor do famoso livro “Cem Anos de Solidão”, publicado em 1967. Recebeu o Prémio Nobel de Literatura, em 1982, pelo conjunto da sua obra.

O poeta António Aleixo – que nasceu em Vila Real de Santo António, no Algarve, a 18 de fevereiro de 1899 – foi cauteleiro e guardador de rebanhos, cantor popular de feira em feira e um caso singular, bem digno de atenção de quantos se interessam pela poesia.

Eugénio de Andrade (pseudónimo de José Fontinhas), cuja obra poética se encontra traduzida em diversas línguas (a seguir a Pessoa é o poeta português mais traduzido), nasceu a 19 de janeiro de 1923 numa aldeia da Beira Baixa. Em 1938, num encontro com António Botto, um amigo deste revela a Eugénio de Andrade a poesia de Fernando Pessoa, origem de um fascínio ilimitado. O conhecimento da literatura do autor da Mensagem será determinante para a afirmação de um estilo individual numa direção oposta à poética pessoana, naquilo em que esta se mostra distanciada da exaltação do sensualismo, da afirmação da corporalidade — vetores decisivos no trajeto poético de Eugénio de Andrade. Em 1942, dedicará o seu primeiro livro à memória de Pessoa. Outra influência marcante será a poesia de Camilo Pessanha. Este autor encarna o papel de mestre, sintetizando algumas das linhas idealisticamente perseguidas na poética eugeniana, como a musicalidade e a aguda consciência de que a poesia é ofício de artesão.

Charles Dickens, escritor inglês nascido a 7 de fevereiro de 1812, em Landport, Portsmouth, e falecido a 9 de junho de 1870, em Gadshill, Rochester, entre outras obras famosas, publicou, em 1843,

A Christmas Carol (Cântico de Natal), uma das histórias mais populares e evocativas da quadra natalícia, tornando-se emblemática a personagem de Mr. Scrooge, nomeadamente através de inúmeras edições em livro e, sobretudo, das diversas adaptações cinematográficas.

Mark Twain é o pseudónimo de Samuel Langhorne Clemens, nascido na localidade de Florida, Missouri, Estados-Unidos da América, em 30 de novembro de 1835, e falecido em Redding, Connecticut, em 21 de abril de 1910. Foi um famoso escritor e humorista norte-americano, autor de obras bastante conhecidas como “The adventures of Tom Sawyer”, publicada em 1876 e apontada como um dos maiores romances norte-americanos.

«Em nome de interesses pessoais, muitos abdicam do pensamento crítico, engolem abusos e sorriem para quem desprezam. Abdicar de pensar também é crime».

A 17 de setembro de 2021 passam 120 anos sobre o nascimento de José Régio (1901 /1969), pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira. José Régio, autor de vasta e poderosa arte poética e ficcional, é considerado um dos grandes criadores da moderna literatura portuguesa refletindo, com base intimista, o conflito entre o Homem e Deus, o Artista e a Sociedade, o Eu e os Outros.

 

Ernest (Miller) Hemingway, escritor norte americano galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1954 e cuja a carreira literária se desenvolveu fundamentalmente a partir das experiências pessoais que mais o marcaram, entre as quais se destacam a guerra e o jornalismo, nasceu no dia 21 de julho de 1899, em Oak Park, Chicago.

Fernando Pessoa (1888-1935) foi um dos mais importantes poetas da língua portuguesa e figura central do Modernismo português. Respeitado em Lisboa como intelectual e como poeta, em vida, publicou regularmente o seu trabalho em revistas, algumas das quais ajudou a fundar e a dirigir, mas o seu génio literário só foi plenamente reconhecido após a morte.

Eduardo Lourenço nasceu a 23 de maio de 1923, na Beira Alta, e faleceu em Lisboa, em 2020, com 97 anos. Foi professor, filósofo, escritor, crítico literário, ensaísta, interventor cívico, várias vezes galardoado e distinguido como um dos pensadores mais proeminentes da cultura portuguesa. Escreveu diversas obras sobre a sociedade e identidade portuguesa: O Labirinto da Saudade (“discurso crítico sobre as imagens que de nós próprios temos forjado”, nas palavras do autor), Fernando, Rei da Nossa BavieraOs Militares e o Poder são das mais relevantes.

Fernando Namora nasceu em Condeixa-a-Nova, a 15 de abril de 1919, e faleceu em Lisboa, a 31 de janeiro de 1989. Foi médico e expressou a sua criatividade também nas artes plásticas, mas ficou para a história como um dos autores consagrados da literatura portuguesa do séc. XX.

Nascido a 25 de fevereiro de 1855, filho de um comerciante com uma loja de ferragens em Lisboa e uma exploração agrícola em Linda-a-Pastora, passa a infância entre os ambientes citadino e rural, binómio que será marcante na sua obra: se a representação pictórica dos ambientes e a descrição plástica da realidade o aproximam do Realismo e do Parnasianismo, se o interesse pelos fracos e humildes ecoa influências românticas e baudelairianas, não é menos verdade que a imaginação do poeta o conduz, muitas vezes, a uma recriação impressionista ou fantasista da realidade devedora da estética simbolista. Por isso, a poesia de Cesário Verde, prefiguradora de uma modernidade estética e só inteiramente reconhecida após a sua morte, dificilmente cabe nas classificações da história literária.

Lewis Carroll (1832-1898) foi um poeta, romancista e matemático inglês. É o autor de "Alice no país das maravilhas", obra que o consagrou internacionalmente. Foi um dos precursores da poesia de vanguarda.

Clarice Lispector nasceu na Ucrânia (Tchetchelnik), a 10 de dezembro de 1920 e faleceu no Brasil (Rio de Janeiro) em 09 de dezembro de 1977 (apenas com 57 anos), sendo um dos maiores nomes da literatura brasileira do século XX. Com o seu romance inovador e com a sua linguagem altamente poética, destacou-se dos modelos narrativos tradicionais.

Eça de Queirós nasceu a 25 de novembro de 1845, na Póvoa de Varzim. Desenvolveu a sua vida literária entre meados dos anos 60 e 1900, quando, a 16 de agosto, morreu em Paris, apenas com 55 anos. Nesse lapso temporal, Eça marcou a cena literária portuguesa com uma produção literária de alta qualidade, alguma dela deixada inédita à data da sua morte.

Oscar Wilde nasceu em Dublin, Irlanda, no dia 16 de outubro de 1854, tendo-se consagrado como autor do famoso livro “O retrato de Dorian Gray”, o seu único romance, considerado uma das mais importantes obras da literatura inglesa. Escreveu, ainda, diversas novelas, poesias, contos infantis e dramas. Algumas das suas frases (irónicas e sarcásticas) continuam a ser citadas em todo o mundo.

José Luís Peixoto nasceu – a 4 de setembro de 1974 - na aldeia de Galveias, no Alto Alentejo, onde viveu até aos 18 anos, idade em que foi estudar para a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Após terminar a sua licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas, na variante de estudos ingleses e alemães, foi professor em várias escolas portuguesas e na Cidade da Praia, em Cabo Verde. Em 2001, dedicou-se profissionalmente à escrita.

Pablo Neruda é o nome literário do poeta e diplomata Neftalí Ricardo Reyes Basoalto que nasceu, no seio de uma família humilde, a 12 de julho de 1904, em Parral, no Chile, e morreu a 23 de setembro de 1973, em Santiago do Chile, estando a causa da sua morte, até hoje, envolvida em polémica dado que a versão oficial a atribuiu a um cancro mas outra tese remete para um alegado assassinato. Pela sua obra poética, conhecida e consagrada internacionalmente, entre outras distinções, foi-lhe atribuído o Prémio Nobel da Literatura (1971).

Poeta, ficcionista, ensaísta, crítico literário, dramaturgo, tradutor e professor universitário, David Mourão Ferreira nasceu a 24 de fevereiro de 1927, em Lisboa, cidade onde faleceu a 16 de junho de 1996.

Maria Teresa Horta nasceu em Lisboa, a 20 de maio de 1937. Escritora e jornalista é conhecida como uma das mais destacadas feministas portuguesas. É oriunda, pelo lado materno, de uma família da alta aristocracia portuguesa, tendo entre os seus antepassados a célebre poetisa Marquesa de Alorna.

Escritor chileno, Luis Sepúlveda nasceu a 4 de outubro de 1949, em Ovalle, uma pequena aldeia no Norte do país, e morreu a 16 de abril de 2020 nas Astúrias, Espanha, vítima de COVID-19.

A 08 de fevereiro de 1828, nasceu o escritor francês Jules Verne (Júlio Verne), autor, entre muitos outros, dos livros "20 mil léguas submarinas" e "A volta ao mundo em 80 dias".

Haruki Murakami – que nasceu em Kyoto, no Japão, a 12 de janeiro de 1949 - é um autor de culto, lido por todas as gerações e procurado com especial curiosidade pelos jovens leitores, encontrando-se traduzido em mais de 50 línguas. Sendo um dos escritores japoneses contemporâneos mais divulgado em todo o mundo é, simultaneamente, aplaudido pela crítica, que o considera um dos «grandes romancistas vivos» (The Guardian).

Reconhecida como uma das principais poetisas portuguesas, Florbela Espanca viveu apenas 36 anos (nasceu no dia 08 de dezembro de 1894 e suicidou-se a 8 de dezembro de 1930), tendo expressado nos seus versos, belos e tristes, sentimentos profundos em relação ao amor, ao sofrimento, à saudade, à solidão e à finitude, inspirada, certamente, numa vida tumultuada, inquieta e sofrida, incluindo a morte prematura da mãe, a rejeição do pai, o casamento e separação, os abortos espontâneos e a morte do irmão, mágoas que não superou, pondo termo à vida tão cedo.